REVIEW by MASSIMO PRIVITERA for COLONNE SONORE, MILANO – ITALY 🇮🇹

Recensione 5 stelle ⭐⭐⭐⭐⭐

per il nuovo album “CINEMA CITY Jazz Scenes from Italian Film”

di MASSIMO PRIVITERA  su “COLONNESONORE.NET“.

Recensione in 🇮🇹 Italiano

CINEMA CITY – Jazz Scenes From Italian Film

Sospiratamente dolce, melodicamente armoniosa, cinematicamente musicale toccando con la sua angelica vocalità le corde più profondamente emotive dell’animo. L’accurata cantante italiana Mafalda Minnozzi (classe 1967), di fama internazionale, esibendosi per lo più tra Brasile e Stati Uniti, torna alla ribalta delle scene musicali con questo album che profuma di jazz, di cinema, di Italia e di compositori che hanno reso grande la relazione inseparabile tra Settima & Ottava Arte con le loro note iconiche: Ennio Morricone, Nino Rota, Henry Mancini, Carlo Rustichelli, Stelvio Cipriani, Bruno Lauzi, Renato Rascel, Bruno Martino e Franco Califano con loro cavalli di battaglia. Resi ancora più affascinanti, coinvolgenti e appassionanti da questa eccellente artista lombarda, seguita in questo nuovo progetto dal produttore e arrangiatore newyorchese Paul Ricci alle chitarre e da tre nomi illustri del panorama jazzistico brasiliano quali Tiago Costa al pianoforte, Sidiel Vieira al contrabbasso e Riccardo Mosca alla batteria. Potrete ben immaginare il risultato: un piacere che si protrae ascolto dopo ascolto.
La Dolce Vita” dal film omonimo di Fellini apre il CD (uscito anche in digitale) in cui il melanconico e sfacciato pentagramma di Nino Rota nella voce della Minnozzi viene colorato da accenti beffardi, addirittura inserendo nella cover del celebre tema la famosa frase cult “Marcello come here”( anzi in italiano “Vieni, Marcello”): un fischio sbeffeggia e un flicorno soft inneggia (lo suona morbidamente e virtuosisticamente Graham Haynes, uno dei tanti ospiti d’eccezione dell’album), facendo sì che Mafalda si sollazzi jazzisticamente usando la sua voce come una tromba con sordina.  “Loss of Love” è tratto da I girasoli (1970) diretto da Vittorio De Sica ed interpretato da Sophia Loren e Marcello Mastroianni, con lo score di Henry Mancini nominato agli Oscar: la cantante di Pavia ne rispetta i canoni romantici con quella tenerezza timbrico-vocale che strugge dentro, con la chitarra e il piano in controcanto a rimarcare maggiormente le delicatissime nuance jazz che sembrano così essere sempre appartenute a questo meraviglioso leitmotiv del papà di Colazione da Tiffany e La pantera rosa.  “Metti, una Sera a Cena” di Morricone, uno dei suoi temi più belli e trascinanti di sempre, suona suadentemente bossa nova (già ampiamente coverizzato sotto questa coloritura sudamericana in altre occasioni) che la limpida voce di Mafalda intenerisce nei toni giocandoci amabilmente e facendocene innamorare ancora una volta.  “Love Theme” da Nuovo Cinema Paradiso di Andrea Morricone è jazz quasi improvvisato ma in realtà strutturato come un crescendo strumentale sempre più ricco nella sua evoluzione sonora, in cui a farla da padrone è il sax soprano di Dave Liebman e la voce della cantante diventa un inno muezzin all’amore e alla vita: una delle cover più ammalianti dell’album. “Amapola”, una canzone del 1920 del compositore ispanico-americano José María Lacalle García che Morricone ha rinverdito in C’era una volta in America, si fa qui sofficemente sospirosa con il piano, le spazzole, il contrabbasso e il vibrante organo Hammond di Art Hirahara da perfetto contorno carezzevole. “Amici Miei” dal film omonimo di Mario Monicelli del 1975 con le musiche di Carlo Rustichelli danza valzeristicamente jazz con la voce da cantastorie angelicata e amara al contempo, dove la cornetta di Haynes sghignazza sarcasticamente e ammanta ancora di più di mestizia il tutto, con chiusura urlata di Mafalda come una lama di coltello abbacinante nella notte. “Anonimo Veneziano”, tema senza tempo e ‘cultissimo’ di Stelvio Cipriani, ancora con l’organo Hammond di Hirahara in controcanto, si distende lieve ma vitale nel suo andamento jazzato dai tempi ritmicamente dinamici, andando dritto al cuore dell’ascoltatore, sempre grazie alla Minnozzi che, eclettica, sa far sua ogni melodia con vigorie contraddistinte. “E La Chiamano Estate” di Bruno Martino, Franco Califano e Laura Zanin del 1965 è una delle più eleganti e romantiche canzoni italiche di sempre, usata in una miriade di film, che in questa performance, disseminata di tenere rimembranze jazzate, si incunea sotto pelle con la calda vocalità della Minnozzi che fa letteralmente falling in love l’uditore. “Nella Fantasia”, versione canora del tema straziante “Gabriel’s Oboe” da Mission di Morricone, con il flicorno solista di Luca Aquino dolcemente cullante e descrittivo che fa da controcanto alla spiritualità soave della voce di Mafalda, partecipativamente emotiva (ma come non si fa ad esserlo con un tema del genere?).
…. segue  

________________________________________________________________

Resenha crítica in 🇧🇷 Português

Suspiro doce, melodicamente harmonioso, cinematicamente musical, tocando os acordes mais profundamente emocionais da alma com seus vocais angelicais. A apurada cantora italiana Mafalda Minnozzi (nascida em 1967), de fama internacional, atuando principalmente entre Brasil e Estados Unidos, volta aos holofotes da cena musical com este álbum que cheira a jazz, cinema, Itália e compositores que fizeram grandes a relação inseparável entre Settima & Ottava Arte com suas notas icônicas: Ennio Morricone, Nino Rota, Henry Mancini, Carlo Rustichelli, Stelvio Cipriani, Bruno Lauzi, Renato Rascel, Bruno Martino e Franco Califano com seus cavalos de guerra. Tornado ainda mais fascinante, envolvente e emocionante por este excelente artista lombardo, seguido neste novo projeto pelo produtor e arranjador nova-iorquino Paul Ricci nas guitarras e por três nomes ilustres do jazz brasileiro como Tiago Costa no piano, Sidiel Vieira no contrabaixo e Riccardo Mosca à bateria. Você pode imaginar o resultado: um prazer que continua ouvindo após ouvir. “La Dolce Vita” do filme homônimo de Fellini abre o CD (também lançado digitalmente) em que a pauta melancólica e atrevida de Nino Rota na voz de Minnozzi é colorida por sotaques zombeteiros, inclusive inserindo a famosa frase cult na capa do famoso tema “Marcello vem cá” (ou melhor, em italiano “Venha, Marcello”): um assobio zomba e um suave flugelhorn aplaude (é tocado suave e virtuosicamente por Graham Haynes, um dos muitos convidados excepcionais do álbum), fazendo de Mafalda você música jazz usando sua voz como um trompete silenciado. “Loss of Love” é retirado de I girasoli (1970) dirigido por Vittorio De Sica e estrelado por Sophia Loren e Marcello Mastroianni, com a trilha de Henry Mancini indicada ao Oscar: o cantor de Pavia respeita os cânones românticos com essa ternura timbral – vocal que definha por dentro, com a guitarra e o piano em contraponto para enfatizar mais as delicadas nuances jazzísticas que assim parecem ter sempre pertencido a este maravilhoso leitmotiv do pai de Breakfast at Tiffany’s e The Pink Panther. “Metti, una Sera a Cena“, de Morricone, um de seus temas mais belos e apaixonantes de todos os tempos, toca de forma persuasiva a bossa nova (já amplamente coberta por esse colorido sul-americano em outras ocasiões) que a voz clara de Mafalda suaviza nos tons que brincam com ela amigavelmente e nos fazendo apaixonar mais uma vez. “Love Theme” do Nuovo Cinema Paradiso de Andrea Morricone é um jazz quase improvisado, mas na realidade estruturado como um crescendo instrumental cada vez mais rico em sua evolução sonora, em que o sax soprano de Dave Liebman domina e a voz do cantor se torna um hino muezzin ao amor e à vida: uma das capas mais fascinantes do álbum. “Amapola“, uma canção de 1920 do compositor hispano-americano José María Lacalle García que Morricone reviveu em Once Upon a Time in America, torna-se aqui um suspiro suave com o piano, pincéis, contrabaixo e o vibrante órgão Hammond de Art Hirahara para uma perfeita contorno acariciando. “Amici Miei” do filme homônimo de 1975 de Mario Monicelli com a música de Carlo Rustichelli dança valsa jazz com a voz de um contador de histórias angelical e amargo ao mesmo tempo, onde a corneta de Haynes zomba sarcasticamente e cobre tudo ainda mais com tristeza , com o fechamento gritado de Mafalda como uma lâmina de faca deslumbrante na noite. “Anonimo Veneziano“, um tema intemporal e ‘cult’ de Stelvio Cipriani, novamente com o órgão Hammond de Hirahara em contraponto, estende-se leve mas vitalmente no seu percurso jazzístico com tempos ritmicamente dinâmicos, indo direto ao coração do ouvinte, sempre graças a Minnozzi que, eclética, sabe fazer sua cada melodia com vigor distinto. “E La Chiamano Estate” de Bruno Martino, Franco Califano e Laura Zanin de 1965 é uma das canções itálicas mais elegantes e românticas de todos os tempos, usada em uma infinidade de filmes, que nesta performance, repleta de ternas lembranças jazzísticas, está encravada sob couro com a voz quente de Minnozzi que literalmente faz o ouvinte se apaixonar. “Nella Fantasia“, uma versão cantada do angustiante tema “Gabriel’s Oboe” de Morricone’s Mission, com o flugelhorn de Luca Aquino suavemente embalando e descritivo que funciona como um contraponto à doce espiritualidade da voz de Mafalda, participativa emocional (mas estar com tal tema?). “L’Appuntamento-Sentado À Beira Do Caminho” é uma música composta por Roberto Carlos e Erasmo Carlos, com texto em italiano de Bruno Lauzi, originalmente interpretado por Ornella Vanoni, e também este foi usado em vários filmes, incluindo Ocean’s Twelve de 2004 dirigido por Steven Soderbergh com George Clooney, Brad Pitt, Catherine Zeta Jones, Julia Roberts e Matt Damon. Mafalda está vibrando, emocionada, sobrevoando um arranjo que agrada sensualmente o ouvinte ao ritmo do samba. A famosa “Arrivederci Roma” é uma música que dispensa apresentações: composta por Renato Rascel, com letra de Pietro Garinei e Sandro Giovannini, é o emblema de Roma e sua tradição de canto, que nosso cantor lombardo consegue transpor com aquela inevitável, incurável e romântica paixão agridoce tipicamente românica que sempre a distinguiu, que no trombone de Jorginho Neto adquire uma aparência de cinismo imperativo que não degrada a sua natureza composicional original. “Nuovo Cinema Paradiso” de Ennio Morricone é pura e deliciosa poética abstrativa do jazz com o solo de guitarra clássica que derrete as almas mais insensíveis musicalmente e que a voz cândida de Mafalda reforça sentimentalmente. “Deborah’s Theme“, novamente de Morricone de Once upon a time in America, em qualquer versão que seja interpretada permanece sempre e para sempre um dos temas amorosos nostálgicos mais assombrosos da história do cinema, que nesta capa vocalizou a ponto de ansiar e acompanhado na ponta do florete sabe ser ainda mais dilacerante e ir além de toda inventividade: todo bom e sincero aplauso. Fecha o CD “Maturity” do Nuovo Cinema Paradiso do nosso saudoso Ennio Morricone com uma performance entre elegia vocal enfática e jazz fusion improvisado, misturando atmosferas como Edda Dell’Orso na máxima expressão de timbre e um Quincy Jones vintage no mais alto nível de interpretação .